O Lado Ruim Das Renderizações 3D Para a Arquitetura

Junte-se a mais de 2500 artistas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Você acredita que as Renderizações 3D vieram para somar ou para prejudicar a arquitetura?

Acontece que essa é uma ideia muito comum, ainda. E sua grande maioria com os arquitetos mais antigos, que ainda não abrem mão do lápis e papel para visualizar suas obras.

É aquela famosa discussão entre Tradicional vs Digital, uma diferença de gerações.

Acontece que é uma discussão que sempre acabará na mesma questão: “Por que não juntar o útil ao agradável?”

O Lado Ruim Das Renderizações 3D Realistas Para a Arquitetura

Na abertura de seu último artigo para o The Guardian, Olly Wainwright, estava observando uma série de projetos de tese produzidos pelos melhores e mais brilhantes estudantes do Reino Unido.

Mas Wainwright está mais impressionado – não pela demonstração de habilidade técnica ou imaginação – e sim pela simples falta de conexão que esses projetos tiveram com uma arquitetura imperfeita:

“Muitas vezes, os projetos pareciam querer fugir do mundo real das pessoas e lugares, escala e contexto. Retornando, em vez disso a reinos fantasiosos de formas complicadas, sem nenhum propósito aparente”.

É uma armadilha na qual muitas escolas de arquitetura têm caído, no Reino Unido e em todo o mundo, mas não é apenas um sintoma da natureza equivocada da educação em arquitetura.

Também ocorre por conta da vontade de inovação, o que gera uma uma imagem distante da realidade.

Até Que Ponto As Renderizações 3D São Ruins Para a Arquitetura? | ARCA - Renderfarm

Até Que Ponto As Renderizações 3D São Ruins Para a Arquitetura?

Mais depois do intervalo …

A ideia da imagem arquitetônica perfeita, não é apenas uma propagada feita pelos professores que priorizam a renderização sobre suas implicações práticas (fazendo com que os alunos passem horas aperfeiçoando o visual, ao invés de aperfeiçoar o design). Mas também pela mídia da arquitetura.

A mídia que divulga a arquitetura, apresenta uma enxurrada de imagens brilhantes que “vendem” uma arquitetura idealizada para o público e até para os próprios arquitetos.

Leia também: Checklist Arquiteto de Sucesso – 25 Passos Definitivos Para Criar Apresentações Que Impressionam

Em seu ensaio “Digital Deception”, escrito para o Design Observer, Belmont Freeman lamenta essa obsessão com a imagem perfeita, que se tornou – graças à tecnologia – muito fácil de alcançar:

“Nossos olhos são treinados para acreditar que fotografia é uma representação verdadeira de uma condição existente. Assim, na era digital, a representação gráfica da arquitetura foi além de um exercício de persuasão: tornou-se um exercício de decepção. O arquiteto tem todo o incentivo para se dedicar à dissimulação digital e ao pequeno risco de fazê-lo. O Photoshop e softwares semelhantes se tornaram a farmácia da profissão dos arquitetos, aprimorando seu desempenho. Impossível de detectar e absolutamente onipresente”.

A “decepção” que Freeman pontua é bastante importante. Acredita-se que os arquitetos tenham incorporado essa idealização da imagem, não apenas por causa de sua educação ou influência da mídia, mas também, porque é um ato terapêutico de auto-engano.

Conforme um colaborador da CLOG: Rendering, Wenzel, o real perigo é que:

“A imagem existe independente do conceito, para ser avaliada como um gráfico. Arquitetura por design gráfico” (Wenzel 73).

Em outras palavras, a arquitetura em si é apagada, eclipsada por sua imagem. E isso tem consequências reais. Como Freeman coloca:

“Temo que a proliferação de tais fotografias leve os clientes e o público em geral a esperar da arquitetura e dos arquitetos um grau de qualidade – perfeição – que é impossível entregar no mundo real”.

 

Até Que Ponto As Renderizações 3D São Ruins Para a Arquitetura? | ARCA - Renderfarm
© Schmidt Hammer Lassen Architects.

Então, o que isso significa para a Renderização 3D na Arquitetura?

Renderizações, muitas vezes idealizadas, são necessários para tentar vender a ideia de um projeto a um cliente. Caso em que um pouco de liberdade artística é um mal necessário.

No entanto, uma vez que a ideia é vendida, o que acontece quando uma renderização mais realista, uma que mostre a mais verdadeira possível a aparência do edifício (com unidades de ar condicionado e tudo) é apresentada?

Numa época em que a renderização e a mídia de arquitetura em geral, já estabeleceu expectativas muito mais altas do que a realidade poderia alcançar:

  • A renderização realista se tornou inútil?
  • Uma renderização estilizada poderia ser ruim para o projeto e ruim para a arquitetura em geral?
  • Será que todos nós, assim como, Peter Zumthor,  devemos nos manter em relação aos modelos e deixar as representações?

O que você acha? Tudo bem que as renderizações sejam idealizadas para vender um design? É simplesmente errado?

Devemos tentar apresentar a arquitetura da forma mais realista possível, tanto nas imagens quanto nas representações, a fim de eliminar expectativas irrealistas (para clientes e para nós mesmos)? Deixe um comentário logo abaixo! 🙂

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
Linkedin
Share on whatsapp
Whatsapp
Share on pinterest
Pinterest

25 Passos Definitivos Para Criar Apresentações Que Impressionam - Mesmo Se Você Não Tem Conhecimento em Renderização

Arquiteto, você pode e deve criar apresentações que impressionam, se quiser deixar de perder 31 clientes novos todos os meses para o seu concorrente.
CLIQUE AQUI

Gostou do artigo? Deixe seu comentário abaixo